Popular Posts

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Académica v Benfica: estrelas cadentes e um regresso


Eusébio, Simões e José Augusto «acabados», no regresso de Toni à casa que o projectou no mundo da bola. Não perca, esta sexta-feira a partir das 20:30, o Académica v Benfica da nona jornada do campeonato nacional.

Enquanto em Manchester se digeria ainda o anúncio da retirada de Sir Matt Busby como treinador do campeão europeu de futebol Manchester United e o seu substituo continuava por escolher, em Lisboa o Benfica (finalista vencido da principal prova europeia de clubes) preparava-se para mais uma jornada do campeonato nacional da primeira divisão, competição que liderava apesar do menor brilho aparente de Eusébio, Simões e José Augusto, quais estrelas cadentes no firmamento encarnado.

Estávamos – adivinharam – em 1969 e o líder Benfica deslocava-se até ao centro do país para defrontar uma briosa Académica que aguardava o confronto com o campeão com a confiança de quem saíra das Antas há apenas uma semana com uma contundente vitória. Da comitiva encarnada que seguiu para Coimbra fazia parte um jovem para quem o jogo tinha um sentimento especial; António Oliveira - o Toni -, contratado à Académica no início da temporada, regressava a Coimbra pela primeira vez para jogar contra a sua antiga equipa depois de já a ter defrontado – e derrotado por 3-2 – no Estádio da Luz na primeira volta.

Era grande a expectativa em redor do jogo. A Associação Académica de Coimbra, que contava com jogadores como Quinito, Alhinho e Rui Rodrigues, vinha de uma bonita vitória frente ao FCPorto bem alicerçada no seu futebol habilidoso e apoiado, enquanto no Benfica nem a liderança da prova conseguia disfarçar uma muito badalada «crise encarnada» associada à fraca produção atacante de Eusébio (mas não só). O ataque encarnado produzira até ali muito menos que em épocas anteriores, mas no jogo de Coimbra as estrelas da companhia deram resposta a quem os considerava acabados com uma exibição «à antiga». É certo que a vitória se ficou por uns escassos «dois-a-zero», mas a categoria dos jogadores benfiquistas ficou bem vincada em campo.

Muito arrumado na defesa (Humberto e Cruz) e no meio-campo (Jacinto), o Benfica cedo se lançou no ataque sob a batuta de Simões e José Augusto, sempre rápidos e sagazes no levar da equipa até à área contrária. Com períodos de domínio repartido, o jogo chegou ao intervalo com uma igualdade sem golos, amarga injustiça para a turma encarnada pois só Eusébio perdera durante a primeira metade três magníficas situações para marcar, a primeira delas superiormente defendida por Viegas e as restantes duas por desafinações na pontaria do «pantera negra».

Foi apenas no segundo tempo que os campeões alcançaram um triunfo que se devia ter desenhado mais cedo, carregando no acelerador e lançando-se à conquista das redes coimbrãs. Ainda antes do primeiro golo, o pânico instalou-se constantemente entre a defesa estudantil com o dinamismo e a facilidade de remate das peças encarnadas a levarem a vários lances ameaçadores. Seria Eusébio o primeiro a desfeitear Viegas (aos 68 minutos); e também o segundo (agora aos 83), significando este último golo um golpe fatal nas dúvidas que ainda subsistiam quanto ao desfecho do jogo. Foi um triunfo encarnado muito mais fácil do que se poderia pensar, numa tarde em que Eusébio e seus pares se reencontraram com as boas exibições.

Toni teve o seu regresso coroado com uma vitória, mas sem a pujança de jogos anteriores tendo passado discreto pelo jogo e sendo até substituído por Nené no segundo tempo. A Académica, com um bom Manuel António na frente de ataque – grande disparo à trave perante um impotente José Henrique –, ficou-se pelas intenções (teria ainda a oportunidade de se desforrar numa final da taça para a história) depois de toda a expectativa criada com o seu triunfo na jornada anterior. Logo à noite perante uma outra Académica, curiosamente também ela vinda de uma inesperada vitória a norte, espera-se semelhante desfecho. 

TEXTO BASEADO E ADAPTADO DA EDIÇÃO DO DIÁRIO DE LISBOA DO DIA 31/03/1969.

2 comentários:

Esperamos con interés los resultados
Compartir Thank
Voy a seguir centrándose en la

Cena muito legal!
Esperar não haverá desempenho mais frequente! !

Publicar um comentário